Páginas

Relato de parto - Parte II


Não leu a primeira parte? Clica aqui.

As dores aumentavam, estavam mais frequentes e com uma duração maior. Por volta das 22h elas já duravam mais de um minuto e praticamente sem intervalo entre elas. Mais uma vez fui pra de baixo do chuveiro com o Mendel sempre ao meu lado. Eu gritava quando vinha a contração e perguntava cadê a Kira que não chegava. Foi só eu terminar a pergunta que o interfone tocou, fiquei muito feliz dela ter chegado e que a partir daquele momento teria as massagens dela (santas massagens). Saí do box, Mendel me secava e lá vinha mais uma contração. As pernas bambearam e tive que me apoiar nele pra não cair.

Me levaram para o quarto pra Kira fazer o exame de toque pra ver quanto estava de dilatação, eu estava com medo de estar com aquela dor toda e ter somente 2 cm de dilatação. Ela fez o exame e não conseguiu verificar direito e pediu que eu ficasse deitada de barriga pra cima  que ela tentaria verificar na próxima contração. Ficar deitada de barriga pra cima tendo contração foi 3 momento mais difícil do TP. Quando terminou o exame ela fez um sinal de positivo pro Mendel e perguntei com quanto eu estava de dilatação, ela disse que eu já estava com 8 cm. 

O Mendel foi tomar banho, eu tomei banho e seguimos pro carro. Antes de sair de casa lembrei de pegar a Nossa Senhora do Bom Parto dada por minha mãe no início da gravidez. Do caminho de casa até a garagem tive umas duas contrações, quando elas vinham eu me apoiava na Kira. Entrei no carro e veio uma contração tão forte que a santinha que estava na minha mão voou longe e eu fui o caminho todo pendurada no puta que pariu. Ficar sentada parecia impossível, a cada contração a Kira pedia pro Mendel reduzir a velocidade. Nesse momento eu entrei na partolândia e não conseguia prestar atenção ao que acontecia a minha volta, olhava pela janela do carro e não fazia ideia de onde estava, mesmo conhecendo o caminho. Aguentar as contrações no carro com pouca mobilidade e sem água quente foi o segundo pior momento do TP.

As contrações vinham e eu gritava me apoiava na porta do carro o que fazia com que o vidro ficasse abaixando e levantando. Se você passou pela Linha Amarela na noite do dia 15/07 e viu uma mulher com cara de louca e gritando era eu hahaha. Chovia muito e eu gritava pro Mendel acelerar e a Kira pedia pra ele reduzir. Quando estávamos chegando eu comecei a sentir vontade de empurrar e gritava que ia fazer cocô no carro (antes de engravidar o meu maior medo era fazer cocô no parto, a minha médica disse que um dos primeiros sinais que a gente tem ao entrar em TP é fazer bastante cocô e realmente eu fiz um gigante logo depois da bolsa estourar e apesar de ter a sensação de querer fazer cocô eu não fiz em momento algum do TP. Eba!)

Finalmente chegamos no hospital. O Mendel estacionou e saiu correndo pra dar início na minha internação e eu fiquei com a Kira no carro esperando a Fernanda chegar. Em menos de um minuto a Fernanda chegou e com muito custo e duas contrações depois a Kira conseguiu me tirar do carro. Segundo o Mendel eu entrei na maternidade berrando e as pessoas que estavam no saguão de entrada ficaram assustadas comentavam que eu estava sofrendo e que estavam com pena e o Mendel dizia que um TP era assim mesmo e que estava tudo bem. A Kira foi me levando pra um elevador e minha médica disse pro Mendel acelerar senão ele ia perder o parto. Entramos eu, Kira (EO), Fernanda (obstetra), Cláudia (pediatra) e por último entrou correndo o Mendel, a porta já fechava e eu com contrações e tudo a segurava pra ele entrar. Lembro que tinha duas outras médicas dentro do elevador que reclamaram com a minha médica que eu não poderia subir por aquele elevador. Minha médica respondeu de forma ríspida que eu subiria sim por aquele que o bebê já estava nascendo. Eu levantei a cabeça que estava apoiada na Kira e mandei a mulher tomar no cu. Sim, com todas as letras. Vai brincar com uma mulher em trabalho de parto. hahahahahah

Chegamos no centro cirúrgico, a sala de parto humanizado fica dentro do centro cirúrgico me levaram pra uma salinha, tiraram a minha roupa e me colocaram aquela camisola sexy de bunda de fora e fomos todos pra sala de parto. Entrei na sala e falei que queria a banheira, a Fernanda me disse que não tinha tempo pra banheira que Morena já estava nascendo. disse que ia ao banheiro fazer cocô e ela disse que não era cocô que era Morena nascendo. Todas as vezes que dizia que queria fazer cocô ela repetia que era a Morena nascendo.


A cama era parecida com essa da foto, elas colocaram essa barra presa na extremidade da cama e me posicionaram de quatro, com os joelhos no chão e os braços apoiados na cama. Eu não me adaptei a essa posição, pois quando eu fazia força fechava as pernas e atrapalhava a passagem. A kira decidiu me mudar de posição e sentou o Mendel na ponta da cama, eu fiquei entre as pernas dele segurando na barra e de cócoras. No intervalo entre as contrações eu relaxava o meu corpo e o Mendel me segurava por de baixo dos braços. Kira e Fernanda estavam sentadas no chão e a pediatra em pé no canto da sala. A cada contração eu fazia força, mas não gritava com medo de gritar e desviar a força pro lugar errado. Apesar de fazer muita força parecia que nada estava acontecendo.

Nessa hora o ritmo entre as contrações diminuiu um pouco e eu fiquei com medo do TP travar. Na tentativa de retomar as contrações chamei a Morena, falei pra ela vir que eu e o pai dela estávamos de braços abertos pra recebê-la.  De repente comecei a sentir necessidade de gritar junto com a contração, na primeira força ela coroou e senti o tal do círculo de fogo, esse foi o pior momento do TP, queima muito! Mais duas forças, um grito enorme e a voz do Mendel ao fundo falando pra eu abrir os olhos que ela tinha nascido. Lembro de pensar que se ele estivesse me zoando e eu abrisse os olhos e ela não tivesse nascido expulsaria ele da sala. É que ele fazia algumas piadas no TP. 

Abri os olhos e lá estava ela linda, coberta de vérnix, presa em mim ainda pelo cordão de olhos e bracinhos abertos. Peguei ela no colo, deixei o corpo sentar no chão e olhava pra ela e pro Mendel sentindo uma alegria e emoção que nunca tinha chegado nem perto de sentir. Morena não chorou forte, ela fazia só uns barulhinhos. Olhei pra pediatra perguntando se estava tudo bem e o diagnóstico dela foi: Sim! Sua filha é bochechuda, se não estivesse eu não estaria aqui parada. 

Morena nasceu as 00:40 do dia 16/07/2013 depois de 12 horas de trabalho de parto, em uma sala escurinha direto pro meu colo e nele ficou por mais de uma hora. Não teve colírio, aspiração e exames desnecessários. Recebeu apgar 9/10. O pai cortou o cordão só depois de parar de pulsar. Foi ao berçário somente pra pesar e medir, não ficou um só minuto longe dos pais e foi pro quarto junto comigo. Depois que cheguei no quarto o Mendel foi procurar a chave do carro, carteira dele e meus documentos. Ele largou tudo na recepção e saiu correndo depois que a Fernanda disse que ele perderia o parto se demorasse. Antes de ir embora a Kira me disse que mentiu pra mim que em casa eu já estava com os 10 cm de dilatação. Definitivamente Morena quase nasceu na Linha Amarela.

Foi um parto lindo e rápido somente uma hora após chegar no hospital (o cartão do estacionamento mostrava que entramos as 23:40) Morena já estava em nossos braços. Pela manhã ligamos pros nossos pais avisando do nascimento da nossa passarinha e eu que ainda não tinha chorado, me desmanchei ao avisar à minha mãe que Morena finalmente tinha nascido.

Morena nasceu tão rápido que não deu tempo da fotógrafa chegar, ela chegou uns dez minutos depois que ela nasceu. Fotos: Bel Junqueira

 Até hoje ela vive com essas mãozinhas no rosto.

 Placenta e cordão umbilical.

 Mamando na sala de parto.

 Babões.

Mendel, minha doce Kira, minha amada Fernanda que briga contra o sistema pra que a gente possa parir de uma forma menos mecânica e mais humana e Cláudia que virou a pediatra da Morena. A equipe que me ajudou a trazer minha passarinha ao mundo. Obrigada, muito obrigada!


18 comentários on "Relato de parto - Parte II"

Maitê on 30 de setembro de 2013 16:43 disse...

Eu só posso dizer PARABÉNS !!!!! Jamais, nunca em tempo algum conseguiria ter PN. Me senti mal só de ler o seu relato. (no bom sentido ok ... ). Tem que ter fibra para passar por isto.

Sou mega fraca para dores, a cada exame de sangue eu desmaio por conta da hipersensibilidade... enfim ...

Mas confesso uma coisa ... quando eu era pequena (além de ver as cenas das novelas), eu estava no hospital acompanhando o meu avô que seria internado e vi uma cena parecido com esta que vc descreveu ... uma moça chegando aos berros com as contrações para ter o bebê ... Nossa, fiquei APAVORADA ... eu tinha 9 anos !!!!! Acho que foi neste dia que jurei que não teria filhos (naquela época eu não sabia ainda desta diferença entre PN, PC ...). (hahahahahahahaha).

Ótima semana !!!

Beijinhos especiais para a Morena !

Vanessa on 30 de setembro de 2013 17:14 disse...

Danee, eu nem conheço vocês pessoalmente mas já desabei chorando aqui de emoção, bem no trabalho. Rsrsrs
Que a sua passarinha seja sempre abençoada com esse amor de vocÊs e que tenha muita saúde, viu?!
Beijinhos

Waleska on 30 de setembro de 2013 18:10 disse...

Putz Danee, senti a dor aqui.
Por essas e outras é que eu acho que não rola de jeito nenhum um parto natural pra essa que vos escreve (mas eu ate já comecei a aceitar um parto "normal" com direito a anestesia e afins, rsrs).

Beijos na Morena

Helen on 30 de setembro de 2013 19:50 disse...

Lindo! Adorei :) Achei super honesto, sincero, e emocionante. Admiro muito mulheres que têm parto natural (e honestamente, acho que esse negócio de gritar não tem nada demais...cada um lida com o parto do seu jeito...) Seu relato intensificou ainda mais a minha vontade de ter um parto natural (mesmo que ele não seja zen e tranquilo...kkkk) O que mais achei impressionante é que, apesar de você falar que berrava que nem uma louca, vc não escreveu que pensou em desistir, se arrependeu da escolha, quis anestesia, etc. Vc encarou o momento de frente, se entregando àquele instante, e isso é muito corajoso e lindo!
Agora, não acredito que uma médica falou que vc não podia usar o elevador...que absurdo! (e falta de sensibilidade...)
Ainda bem a Kira contou uma mentirinha para vc kkkk Acho que, se eu soubesse que já estava com 10 cm em casa, surtaria!!! Fiquei surpresa com a rapidez do seu parto: 12 horas de TP para 1o filho é excelente (e 40 minutos de empurrar deve ser recorde, né?!) Quero saber qual é o segredo para ter um parto assim! ;) (já estou me preparando para 24 horas de TP...assim, se for menos, eu fico aliviada...melhor ter expectativas baixas, né?!)
Ah, esse fim de semana fizemos a aula no hospital sobre trabalho de parto (o que esperar, os estágios do parto, posições, massagens para aliviar dor, etc) e acho que vou ser que nem vc: índia de cócoras (achei as posições deitadas tão ruinzinhas...) kkkk
Mais uma vez, parabéns pelo parto lindo e pela filhinha fofa!!! Beijinhos!

Bel Junqueira disse...

Que lindo!!!!!! Me emocionei!!!!!! A passarinha de vcs é linda demais!!!! Tenho o privilégio de fotografar e acompanhar essa família linda se formando!!!! Obrigada!!!

Michele Micas disse...

Queridos Danee, Mendel e Morena, quanta força e coragem de vcs... Olha, fiquei emocionada aqui e me sentindo uma frouxa, rsrs... É eu tive Dany sem sentir dor nenhuma! Um grande beijo e um dia te conto minha experiência com a Dany! :-)

Daienne Lima on 1 de outubro de 2013 07:44 disse...

Eu preciso parar de ler isso aqui no trabalho... Sempre me emociono demais e fico com cara de sapo para não chorar na frente dos outros, rs!
Mais uma vez, digo que tudo foi lindo demais! Parabéns!
Vc é minha inspiração, menina!! Cada vez mais tenho certeza de que quero um PN!

Bj

Ju on 1 de outubro de 2013 09:47 disse...

Eu que já conhecia todas as etapas do parto li tudo e fiquei tensa em cada linha! senti as dores junto com vc e relembrei do meu parto! O seu parto foi lindo e muito rápido! Parabéns para vc, para o Mendel - super paizão e para Morena - passarinha guerreira! E claro, para a equipe médica maravilhosa que ajudou em todo processo!
Como disse a Bel, vc foi uma tremenda parideira!!! heheh e eu xingo o whatsapp até hj pq trollou eu e a carol! hahaha a gente preocupada e vc já com ela nos braços!!!
Eu que não queria foto no meu parto, fiquei babando nas suas fotos e na da Carol!! No próximo eu vou querer!!! As fotos de vcs estão lindas demais!!!
Amiga, mais uma vez, um super parabéns para vcs pelo parto lindo e pela filhota lindona e dona das bochechas mais gostosas ever!
beijo grande meu e do Biel!

Helena on 1 de outubro de 2013 11:40 disse...

Ah, adorei o relato Danee. Super verdadeiro, emocionante! Parabéns pelas excelentes escolhas pra sua filha, pra sua família. Nem sei o que dizer de tanta beleza em seu relato! Só resta parabenizar e seguir acompanhando a linda história de vocês. Beijos!

Riso Aleluia on 2 de outubro de 2013 21:29 disse...

Se orgulho é pecado, não tem jeito sou pecadora. Muito orgulho da coragem da minha nora e do meu filho. De todas as pessoa que estavam grávidas no mesmo período que você só a Morena teve o privilégio de ter vindo ao mundo de forma natural. Os médicos em sua maioria não incentivam o parto normal o que é um desrespeito a todas mulheres. O Mendel nasceu de parto normal, porém devido ao seu tamanho (cabeça) o médico teve que a aumentar a passagem, mesmo assim uma hora após o parto eu já estava tomando o meu banho. Que Deus continue a abençoar a nossa família. Beijos.

Silvia on 2 de outubro de 2013 22:58 disse...

Se eu tivesse no hospital e visse as duas médicas dizendo que você não poderia subir no elevador, o meu lado barraqueiro ia vir a tona e com certeza eu ia mandar as duas para todos os lugares indelicados mesmo não sendo eu em TP! ARF!

Me desculpa mas é a cara do Mendel fazer piada, não poderia ser de outro jeito! Se você falasse que ele não fez aí que eu ia ficar preocupada!

Sua filha é muito fofa e eu quero ver vocês de novo!

Beijos!!

AGUEDA PRADA on 3 de outubro de 2013 13:56 disse...

Parabens pela morena, que relato de parto mais emocionante
bjsss

Débora Ribeiro Coelho on 3 de outubro de 2013 14:20 disse...

Danee,

Conheci seu blog através do MaisJu. Seu relato é superemocionante! Meus olhos encheram de lágrimas! E fiquei surpresa comigo mesma porque ainda estou sonhando com meu casamento, então bebês não fazem parte dos meus planos tão cedo! rs Muita saúde pra essa família linda!

Bjs

Mendel Cesar on 7 de outubro de 2013 16:28 disse...

O melhor do relato é poder viver um pouco tudo de novo. Te amo muito, obrigado por me deixar fazer parte. Aguardo o dia em que nossa pequena poderá ler esse relato. Pelo ritmo intelectual dela acredito que com 2 anos isso acontecerá.

Graziela Huguenin on 9 de outubro de 2013 20:53 disse...

Que lindo! Só isso: lindo! Amei!
Parabéns ao casal, por tanta sintonia e amor!

Mayra on 10 de outubro de 2013 17:08 disse...

Lindo amiga, essa conexão entre mãe e filha de vc chamar e ela responder vindo é de outro mundo, muito emocionante. Só posso ficar feliz por ter acompanhado tudo desde a busca pela médica... E hoje poder compartilhar a vida da Morena é ainda mais gratificante pra mim. Brigada viu por me permitir isso tudo, bjo amo vcs!!

Hilda Paula R Pereira on 19 de outubro de 2013 01:27 disse...

Olá querida , gostei muito dos seus textos e digo que mesmo não lhe conhecendo pessoalmente , me identifiquei bastante. Também sou mãe de primeira viajem , minha filhinha nasceu há 6 meses e descobri o seu blog por acaso ( gostei muito). Desde o nascimento da minha filha essa ideia de parto humanizado é muito presente em minha vida, pois eu fui uma "quase vitima" dessa tese de que um bebê só deve nascer através de uma cesariana ( pensamento racional). Quando eu engravidei , desde a primeira consulta fui direcionada a fazer uma cesárea pelo meu obstetra , confesso que eu não conhecia nem mesmo a ideia do parto natural. Porem o destino nos pregou uma linda peça, onde com 38 semanas entrei em trabalho de parto e fui ABANDONADA pelo meu médico , que era um defensor da cesariana acima de tudo . Me deparei passando por um baita "perengue" no momento que deveria ser o mais lindo da minha vida. Cheguei em uma maternidade publica ( apesar de ter pago um plano de saúde ) e mesmo com uma lei bem clara que nos dá direito ao acompanhante na hora do parto , eu permaneci sozinho ( o que aumentou meu medo e insegurança). Porém um bom médico apareceu e me mostrou que eu era capaz e que seria algo saudável para mim e para ela. Todos ficaram em pânico quando souberam que ela nasceria de forma natural ( na minha familia NINGUEM teve parto normal , e na minha cidade não é comum) , mas eu consegui , ela nasceu , linda e saudável. Apos passar por essa experiencia sou uma incentivadora ao parto humanizado e mesmo sendo vista como " naturalista " por todos , digo e repito que Pari , dei a luz e vivi uma experiencia incrivel e que me fez renascer como mulher , ou seja , foi nosso primeiro encontro e foi amor a primeira vista ... rsrsrsr
Prazer em conhece-la !
Parabéns pela bb !!! Felicidades

O Apê de Nós Três! on 23 de outubro de 2013 00:07 disse...

Parabéns pelo parto lindo!

Postar um comentário

 

"Por onde for quero ser seu par" 2011 | Desenvolvido por Craftices