Páginas

Sete anos atrás


Há sete anos eu enfrentava o medo e a incerteza. Minha mãe era submetida a um transplante renal e o doador era o meu pai. Vivi a experiência de ver meus pais serem levados juntos ao centro cirúrgico. Eles passaram por mim cada um deitado numa maca e eu só pude olhar. Não podia tocar e nem falar com eles. Meu coração ficou pequeno só de imaginar o que poderia acontecer com eles, ao mesmo tempo eu tinha a certeza que Deus escreve certo por linhas tortas e que se entre as pessoas que se ofereceram para doar o meu pai foi o único que poderia. Daria certo!

A expectativa era que em 15 dias minha mãe teria alta. Na verdade a coisa foi muito mais complicada. Por várias vezes ouvi dos médicos que o rim transplantado não funcionava e que estava sendo rejeitado. Ouvi inclusive o médico dizer que tinha jogado a toalha que já tinha marcado a cirurgia para retirar o enxerto, só faria um último exame para ter certeza que não havia fluxo sanguíneo no rim. Eu ia ao hospital todo dia levar água mineral e outras coisas que minha mãe precisava, no dia do tal exame eu cheguei e a enfermeira disse que ela estava fazendo o exame. Invadi o centro de imagens corri feito louca do segurança até que encontrei uma enfermeira que me conhecia e disse que eu podia ficar. Entrava e saia médico da sala e eu esperando do lado de fora. Até que saiu um médico novinho com cara de boa gente e resolvi me apresentar e perguntar sobre a minha mãe. Imediatamente ele abriu um sorriso e disse que tinha fluxo sanguíneo, que o rim não estava podre como outro médico havia dito e que em questão de tempo ele iria funcionar. Na mesma velocidade que entrei no centro de imagens eu saí em busca de sinal de celular. Liguei pro meu pai em prantos e mal conseguia falar. Ele começou a chorar do outro lado da linha imaginando o pior e quando finalmente consegui falar só falei "tem fluxo!" Foi uma das poucas vezes que ouvi meu pai chorar e ficamos alguns minutos assim cada um chorando na linha e desligamos sem dizer nem uma palavra. Pra mim esse foi o dia mais importante da minha vida.

Ao todo foram 3 meses de internação até que o rim funcionasse de forma satisfatória e minha mãe não precisasse mais da máquina de hemodiálise para viver. Agosto é o mês que minha mãe renasceu. Sou eternamente grata ao meu pai que doou um pedaço dele para que minha mamita linda tivesse uma melhor qualidade de vida, aos médicos, enfermeiras, equipe técnica do hospital dos Servidores do Estado, aos pacientes que ali estavam internados e que muito apoio davam à minha mãe e amigos que se dispunham a visitar e a doar sangue à ela durante esse período.

Foto tirada em um domingo de visita. Minha mãezinha é muito amada mesmo, isso é só uma parte das visitas, algumas já tinham ido embora.

Um ano depois do transplante fizemos uma festinha de criança para ela. Afinal ela completava um ano de vida nova. As fotos estão péssimas, mas são de grande importância pra mim.




Mamita linda, que você tenha muitos anos de vida e que cada vez mais você me ensine a superar as dificuldades. Você é sem sombra de dúvidas a pessoa mais forte que conheço. Te amo!

11 comentários on "Sete anos atrás"

Mendel Cesar on 13 de agosto de 2012 09:25 disse...

E somos todos gratos. Ao grande Pai, ao seu pai e a minha sogra pela sua imensa e corajosa vontade de viver.

Thiii** on 13 de agosto de 2012 09:31 disse...

Que liiindo...me emocionei...
Deus eh maravilhoso mesmo.
Que felicidade neh...


Beeeeijos querida.
Otima semana

Biessa on 13 de agosto de 2012 09:44 disse...

Que lindo Danee!
Fiquei emocionada e arrepiada aqui.
Que gesto bonito do seu pai!
Que vocês continuem podendo comemorar este "aniversário" da sua mãe por muitos e muitos e muitos anos!

Carol on 13 de agosto de 2012 09:47 disse...

Caramba Danee!! E a gente estava falando disso na sexta, ne?!
Que lindo!!!

Admiro muito seu pai por isso e sua mae pela luta. Cada ano é sempre uma vitoria!
Parabens pela familia maravilhosa que vc tem!

Beijao minha linda!

O Apê de Nós Três! on 13 de agosto de 2012 09:56 disse...

que linda história!!!
Não sei se vc sabe, mas eu TAMBÉM SOU TRANSPLANTADA RENAL!!!Sei exatemamente como e esse processo!
Estou muito feliz por conhecer a história de seus pais!! Que lindo!!
Que deus continue abençoandoooo

Luciane on 13 de agosto de 2012 11:13 disse...

Também me emocionei com sua história. Não te conheço pessoalmente mas pelo que leio no seu blog você é agraciada por ter tantas pessoas lindas (em todos os sentidos) na sua vida. Como a vida nada mais é que um espelho, isso me passa uma impressão muito boa sobre você.

No mais parabéns pra sua mãe. Que ela curta bastante essa nova infância e logo vire um adolecente, adulto... Sempre com muita saúde!

♥•♥ Sra. N - ResolvidoA2 ♥•♥ on 13 de agosto de 2012 11:57 disse...

Não conhecia essa história sua, e me emocionei em ler.

Prova que oq o cara la de cima escreve, ninguém muda!

Que ela comemore muitos outros aniversários de renascimento.

Bjs com saúde pra seus pais e vcs dois!

Silvia on 13 de agosto de 2012 16:46 disse...

Realmente agosto é o mês do segundo aniversário da sua mãe! E poxa, me emocionei ao saber que seu pai foi o doador.

Beijos!

Waleska on 13 de agosto de 2012 18:09 disse...

Já disse que eu adoro a historia dos seus pais?!

Mayra on 13 de agosto de 2012 19:15 disse...

A história é linda e sua mãe é ainda mais fofa, super doce, não aparenta metade da história que vc contou aqui!
Parabéns pra ela! Bjos

Elizabete Soares on 13 de agosto de 2012 20:34 disse...

Elizabete Soares É por isso que agradeço todos os dias de minha vida. Ao seu pai, que fez esse ato de amor me doando o Rim dele, a vocês minhas queridas filhas que tanto sofreram mas estavam sempre presente me dando forças e todos os amigos que também que em nenhum momento deixaram eu desistir. Obrigada Jesus por tudo isso... Não sei se merecia tanto.

Postar um comentário

 

"Por onde for quero ser seu par" 2011 | Desenvolvido por Craftices