Páginas

Bolívia - Peru: Parte III


Nossa intenção era sair de Copacabana em direção a Puno as 13h horário de saída do ônibus que compramos da empresa Tour Peru, considerada uma das melhores. Compramos nossas passagens em uma das muitas agências que tem na cidade e recebemos o nosso comprovante como em todas as vezes que fechamos pacote de passeio ou de ônibus de viagens. Só que na hora do embarque descobrimos que a empresa nos deu uma baita volta. Ficamos discutindo com o motorista e com o despachante do ônibus por longos minutos. Até que concordamos que iríamos até a fronteira em um taxi e de lá seguiríamos em uma Van de turistas, só não nos avisaram que os turistas eram bolivianos. Eu explico, os bolivianos em geral fazem o estilo farofeiros. Entramos nós quatro na van, eu, Mendel, Paula e Natália (meninas que viraram nossas companheiras de viagem) e ela estava vazia, logo chegou uma família de 12 pessoas incluindo idosos, crianças de colo, adolescentes e pré-adolescentes e adultos. Só faltou o papagaio. O início da viagem seguiu-se tranquilo, pegamos no sono e acordamos com um forte cheiro de frango frito. Abri o olho e vi que a família estava almoçando. Era um tal de passa o pollo (frango) mamita, la papa (batata), la gaseosa (refrigerante), maionesa (maionese). Aquela farofada começou a me irritar, mas resolvi tentar pegar no sono novamente. Quando sou acordada pelos gritos da família de abra la ventana (abra a janela). Lógico que alguma criança iria passar mal comendo tanta tranqueira em um carro dirigido por um peruano no estilo de direção com emoção que eles tem. Pronto o tempo fechou. A Paula que estava sentada ao lado da garota ameaçou se você vomitar em mim eu só te dou uma e eu fiquei desesperada porque se a menina começasse a vomitar eu também iria (passo muito mal se vejo qualquer pessoa vomitando) O Mendel tampava o meu rosto pra eu não ver e a Paula e a Natália xingavam de tudo quanto era nome os pais da criança. Passado o episódio do vômito o menininho que estava sentado na frente da Paula (tudo acontecia com ela) foi se espreguiçar e virou o copo com refri todo nela. Mais uma vez ela me solta um palavrão de todo tamanho e a partir dai a viagem seguiu tranquila. Longas, longas 4h.

Chegamos em Puno e logo entramos em uma outra van, dessa vez sem a família farofeira, e fomo pro porto pegar o barco que nos levaria às Ilhas Flutuantes de Uros. Os Uros são um povo que foram expulsos do continente pelo Incas e fugiram para o Lago Titicaca. Por muitos anos eles viveram em barcos até que construíram as primeiras ilhas flutuantes. Hoje elas possuem hospitais, escolas, eleições. Muito interessante.

Conhecemos 2 ilhas, uma era a capital deles e a outra era uma menor. Cada ilha tem um prefeito eleito pelos moradores e os moradores de todas as ilhas votam em um presidente das ilhas. Eles sobrevivem do turism, artesanato e principalmente de tudo que conseguem construir com a totora, planta que nasce no lago. Ela é usada pra fazer fogo, pra construir suas casa, embarcações, as ilhas, e mais uma infinidade de coisas.


 Nós na fatídica van

 Prefeito da primeira ilha que visitamos explicando como elas são construídas

 Maquete da explicação

 Vista panorâmica da primeira ilha

 Depois de uma viagem tão agradável esse foi o estado em que fiquei

 As casinhas são baixinhas


 Adoro essa foto mesmo tremida

 Essa é a Paula uma das nossas companheiras de viagem. Nesse dia a Natália tava dodói e resolveu ficar no barco a maior parte do tempo

 Nós desembarcando na capital dos Uros

Quando retornamos para terra firme fomos ao centrinho jantar e dar uma voltinha. A noite pegamos um ônibus em direção a Cusco.

 
Praça das armas de Puno

4 comentários on "Bolívia - Peru: Parte III"

Helen Harris on 24 de janeiro de 2012 16:38 disse...

Rsrsrsrsrs
Morri de rir com a história da van. Muita farofa!!! Mas não fale que só os bolivianos são assim...brasileiro (ok, nordestino) já curte uma farofa...me lembrei da primeira viagem de carro que fiz com a família do marido. Era muita farofa (e frito!) para uma carioca-metropolitana-metida-a-novaiorquina...Foi HORRIVEL!!! (depois dessa, falei pro marido, na epoca namorado, que se fossemos viajar novamente de carro com a familia dele, alugaríamos nosso próprio carro, porque eu nunca mais passarei 6 horas num honda civic com 5 adultos e 2 crianças grandes...)
Enfim, voltando ao seu post...eu não conhecia os Uros. Gostei bastante dessa informação. Vcs chegaram a conversar com eles? Os Uros são tem autonomia sob o territorio? Qual foi a impressão de vcs sobre a inclusão social deles? Beijinhos!

Marcela Lima on 24 de janeiro de 2012 20:39 disse...

hahahahah Menina, comprei a briga da Paula, coitada!Deus que me perdoe, mas tenho horror de criancinha do meu lado em ônibus ou van justamente por causa disso! Uma vez um bebê golfou do meu lado; por pouco não me sujou. E o cheiro depois? hahah
Bom, mas fora os farofeiros, deve ter sido incrível! Adoro viajar pra lugares que tem uma realidade mto diferente da nossa.
Bjsssss

Casar é assim... on 26 de janeiro de 2012 16:45 disse...

Que legal essa viagem...me lembrei do The Amazing Race..já assistiu?? Eles passaram pelo Lago Titicaca..(desde então adoro falar esse nome!! rsrs)

Beijos!!

Mayra on 26 de janeiro de 2012 17:46 disse...

Farofa é farofa em qqer lugar do mundo!
Não entendi uma coisa, essas casinhas são dos habitantes da ilha?

Postar um comentário

 

"Por onde for quero ser seu par" 2011 | Desenvolvido por Craftices