Páginas

Crescendo e aprendendo.


Olá pessoal,

Como a gente é inocente quando criança né? Eu lembro bem quando eu falava que com 18 anos eu moraria com uma colega e já seria dona do meu nariz (rindo muito). Bem isso é pra lembrar de um diálogo que sempre se repetia nos dias de faxina na casa da minha mãe quando eu era criança/adolescente.

Eu: Não quero fazer isso, não gosto.
Mãe: Tem que fazer, porque um dia você vai ter a sua casa e vai ter que cuidar dela.
Eu: Vou casar com um homem rico e terei empregada.
Mãe: Mesmo assim, você tem que saber fazer pra ensinar a sua empregada como você gosta das coisas arrumadas.

Tolinha eu. Casar com um homem rico eu até poderia, mas provavelmente eu não conseguiria ficar sem trabalhar, sem ganhar o meu próprio dinheiro. Isso me faz lembrar um outro diálogo que tive com uma vendedora em um shopping.

Vendedora: Quer ver uma bolsa? Leva a bolsa é linda!
Eu: Não, o marido vai reclamar.
Vendedora: Parcela que ele nem vai perceber.
Eu: Não quem paga sou eu, ele vai reclamar de falta de espaço.

Esses eventos me fazem refletir sobre uma série de conceitos que vão sendo colocados nas nossas cabecinhas ao longo dos anos. Do tipo "o homem é o provedor", "meu marido tem que me bancar, o meu dinheiro é só pra mim" (essa eu já ouvi de amiga). Não consigo entender. Se eu casei, foi pra constituir uma família e as responsabilidades para manter essa família serão nossas. Tenho o maior orgulho de dividir as contas com o Mendel de ver a nossa casinha tomando forma e a cada dia a nossa recém família se fortalecendo.

Minha mãe me criou pra ser independente. Sempre falou que a gente teria que estudar pra ter nosso dinheiro e não depender de ninguém financeiramente. Hoje agradeço muito a minha mãe por me educar assim. Cuido muito bem da nossa casinha, claro que agora eu pedi arrego e peguei emprestada da minha mãe a ajudante dela. Tenho uma ajudante uma vez por semana, agora eu não preciso mais fazer faxina na nossa casinha, mas todo o resto eu faço. Confesso que acho bem difícil orientar alguém quanto a organização da nossa casinha.

Todo esse papo é pra mostrar o quanto é difícil criar um filho, lá em casa a gente sempre teve empregada e mesmo assim minha mãe nos ensinou a fazer de tudo e nunca nos deixou ficar "folgadas" recebendo tudo na mão. Hoje eu enxergo como aquelas horas chatas de educação para o lar foram importantes pra mim. O Mendel é que agradece, ele me acha uma cozinheira acima dos padrões humanos. Sempre aplaude a minha comida e eu fico toda boba!

Beijocas

13 comentários on "Crescendo e aprendendo."

Natália on 27 de setembro de 2010 20:50 disse...

agora vc trate de vir aqui me ensinar. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Carol on 27 de setembro de 2010 22:19 disse...

Ameeeeeeeeeeeei o post, Danee!

Bjus!

Nani on 27 de setembro de 2010 22:50 disse...

essa conversa ja foi falada ma ksa da minha mãe tambem..Sempre disse q casaria com um ricasso que me desse de td e eu nao tivesse q fazer nada...rsrs

Ju on 27 de setembro de 2010 23:20 disse...

hahahhahaha muito bom Danee! Sabe que eu também sinto o maior orgulho disso, de trabalhar, sustentar a casa e os meus luxos, ainda juntar dinheiro para construir um futuro ainda melhor com maridón!!! heheh

Elisabete on 28 de setembro de 2010 08:06 disse...

Oi amiga,amei a postagem que vc escreveu.
Nos mulheres demos que ser independente mesmo,pra compramos o que queremos e ajudar as pessoas que amams tbm
Bjos

Silvia on 28 de setembro de 2010 10:03 disse...

ARGH! Que vendedora imbecil! Não gostei, não. Pensamento mais machista!

Sabe o que me irrita muito? Aquelas mulheres que juntam dinheiro escondido do marido para gastar depois em coisas que ele não gosta que ela gaste.

Vamos ser independentes! E vamos sair para beber sem eles tb! =P

Beijo linda!

Denise on 28 de setembro de 2010 10:21 disse...

Mami Bete Rules!!


♥ ♥ ♥ ♥


Mulheres! Independência ou morte!

Denise on 28 de setembro de 2010 10:22 disse...

P.S. para a Silvia:

Quando for beber me chama!

=D

Laiz Malafaia on 28 de setembro de 2010 17:23 disse...

Muito bom o post... As familia mudam, mas os diálogos nao..rs
Minha mae ja cansou de falar isso pra mim!
Mto bom o post, bastante verdadeiro!

Sandrinha on 29 de setembro de 2010 10:29 disse...

Eu já vi este filme!
Faz parte da vida pensarmos assim um dia.
Conquistar nossa idependencia, mesmos casadas é td de bom.
Pq assim somamos com nossos maridos e podemos evoluir, ajudar e melhorar nosso padrão de vida.
Aprendemos mto com nossos pais.
Nos vemos fazendo e agindo da mesma forma q eles,lógico obedecendo o progresso e evoluindo sempre.
Bjks!!!

Lilianne on 29 de setembro de 2010 15:19 disse...

Olá queria dar os parabéns a vc pelo casamento!!! E gostaria de pegar algumas dicas com vc já que como vc disse, vc virou viciada em casamento, entao poderá ajudar uma noivinha que n sabe nada de nada...rs
Se puder me ajudar mande um email para ninianne@gmail.com
Bjs

Tel Monteiro on 29 de setembro de 2010 15:58 disse...

Estou planejando um encontro das blogueiras e das leitoras do Rio.

Gostou da idéia? Ainda estou pensando na data e em várias possibilidades.


Se quiser participar e tiver idéias para compartilhar, coloca um comentário lá no {Desencalhadas} ou manda um e-mail para mim.


Bj
xoxo

Vanessa on 29 de setembro de 2010 23:33 disse...

Com excessão ao pudim salgado(rsrsrsrsrsr) vc é uma excelente cozinheira sim. Aquela sobremesa que eu acho que é pudim ou bolo de sorvete é uma delícia. Bjs!!! saudades!!!!!

Postar um comentário

 

"Por onde for quero ser seu par" 2011 | Desenvolvido por Craftices